9 de mar de 2015

Pesquisa britânica define ''tamanho normal'' do pênis


Estudo usou dados de 15 mil homens de vários continentes; não foi encontrada relação entre o tamanho do órgão e a etnia
Artigo: Estadão
Uma nova análise realizada por cientistas britânicos estabeleceu qual é o tamanho considerado "normal" para o comprimento e a circunferência do pênis. De acordo com o coordenador do estudo, David Veale, do King's College London (Reino Unido), o objetivo é fornecer um parâmetro científico para que os médicos possam aconselhar homens preocupados com as dimensões do próprio pênis. 
O trabalho foi publicado na terça-feira, 3, na revista de urologia BJU International. O estudo levou
em conta 17 pesquisas reunindo dados de mais de 15,5 mil homens, de vários continentes, que haviam sido submetidos ao mesmo método padronizado de medição, aplicado por profissionais de saúde. Com isso, a equipe de Veale criou um esquema gráfico, ou nomograma, de medidas de pênis válido para todas as idades e diversas etnias. O nomograma é semelhante aos diagramas utilizados para avaliar a curva de crescimento das crianças.
Autores admitem que o estudo pode ter algumas distorções, já que existe a possibilidade de os homens que participaram das pesquisas como voluntários serem "mais confiantes" em relação a seu tamanho de pênis


De acordo com o estudo, o comprimento médio do pênis é de 9,16 centímetros quando flácido e de 13,24 centímetros quando flácido, mas esticado. O comprimento médio do pênis ereto foi de 13,12 centímetros. A circunferência média do pênis flácido foi de 9,31 centímetros e a circunferência média do pênis ereto foi de 11,66 centímetros. 
O estudo também mostrou que apenas 2,3% da população masculina tem pênis de tamanho anormal - muito menor ou maior que a média. "Acreditamos que esses gráficos ajudarão os médicos a tranquilizar a maioria dos homens, mostrando que o tamanho de seus pênis está dentro da normalidade. Também usamos esses gráficos para examinar a discrepância entre a posição que um homem acredita estar no gráfico e sua posição real", disse Veale.
De acordo com Veale, alguns homens ficam tão preocupados e angustiados com as dimensões do pênis que podem ser diagnosticados com Transtorno Dismórfico Corporal - a preocupação obsessiva com defeitos mínimos ou inexistentes na aparência física . Até agora, segundo ele, não havia estudos formais sistemáticos sobre medidas penianas, nem diagramas gráficos que apresentassem a distribuição de tamanhos de pênis flácidos e eretos.
A pesquisa incluiu participantes com idades de 17 a 91 anos, que tiveram seus pênis medidos em estudos realizados na Europa, Ásia, África e Estados Unidos. Não foram encontradas evidências de diferenças de tamanho do pênis relacionadas à etnia. No entanto, a maior parte dos participantes eram provenientes da Europa e do Oriente Médio, o que impede uma comparação completa por região. Também não foram encontradas correlações entre o tamanho do pênis e dos pés do indivíduo.
Os autores admitem que o estudo pode ter algumas distorções, já que existe a possibilidade de que os homens que participaram das pesquisas como voluntários serem "mais confiantes" em seu tamanho de pênis que a população em geral. As diferentes condições de temperatura também podem ter interferido nos resultados, de acordo com eles.
Fonte: Estadão


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentar...